Comportamento inicial de espécies nativas na recuperação de área ciliar em Caatinga

Autores

  • Maria da Penha Moreira Gonçalves UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO
  • Paulo Cezar Pereira da Silva Siliprandi Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Gleicilane Siliprandi Pereira da Silva Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Antônio Olavo Vieira das Chagas Universidade Estadual do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v7i1.102

Palavras-chave:

Semiárido, restauração florestal, plantio de mudas

Resumo

Objetivou-se nesse trabalho verificar o comportamento inicial de oito espécies nativas da Caatinga quando utilizadas na recuperação de áreas. O estudo foi realizado em Área de Preservação Permanente (APP) de rio em uma propriedade rural no município de Crateús, estado do Ceará. Foram selecionadas oito espécies e 10 indivíduos por espécie. As coletas de dados foram realizadas até o final do período de estiagem, sendo as mudas mensuradas aos 4, 7 e 10 meses após plantio, onde se avaliou sobrevivência, altura total (H), e número de plantas com parte aérea morta. Os resultados indicaram sobrevivência global das mudas de 82,5%. A maioria das espécies apresentaram indivíduos com morte da parte aérea, entre esses com maior porcentagem a espécie M. urundeuva (80%). As espécies, de forma geral, não conseguiram crescimento em altura ao longo da seca. Conclui-se que as sobrevivências foram elevadas, porém, com perda de parte aérea na estação seca, o que se reflete em valores nulos de crescimento em altura, ou mesmo incrementos negativos.

Biografia do Autor

Maria da Penha Moreira Gonçalves, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

Doutora em Ciências Florestais, Departamento de Ciência Florestal - UFRPE

Paulo Cezar Pereira da Silva Siliprandi, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Engenheiro Agrônomo, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Gleicilane Siliprandi Pereira da Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Engenheira Agrônoma, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Antônio Olavo Vieira das Chagas, Universidade Estadual do Ceará

Biólogo, Universidade Estadual do Ceará

Referências

ALVAREZ-AQUINO, C. WILLIAMS-LINERA, G. Seedling survival and growth of tree species: site condition and seasonality in tropical dry forest restoration. Botanical Sciences, 90(3): 341-351, 2012.

ARAÚJO, S. M. S. A região semiárida do nordeste do Brasil: Questões Ambientais e Possibilidades de uso Sustentável dos Recursos. Revista Rios Eletrônica, 5(5): 89-98, 2011.

BARBOSA, U. N., GONÇALVES, M. P. M., FELICIANO, A. L. P., SILVA, A .P. S., GRUGIKI, M. A.. Ataque de pragas em espécies florestais nativas usadas em reflorestamento em diferentes ambientes edáficos da Caatinga. 361-365, 2014. Disponível em: http://www.simposfloresta.pro.br/sistema/ocs-2.3.5/index.php/viiisimposfloresta/viiispcf/paper/viewFile/104/268. Acesso em: 10 Mai. 2017.

BELLA, S. R., O'BRIEN, K. L., WEESNER, M. W. Revegetating Disturbance in National Parks: Reestablishing Native Plants in Saguaro National Park, Sonoran Desert. Natural Areas Journal, 35(1): 18-25, 2015.

CHAVES, I.B., FRANCISCO, P. R.M., LIMA, E.R.V., CHAVES, L.H.G. Modelagem e mapeamento da degradação da Caatinga. Revista Caatinga, 28(1):183-195, 2015.

FELICIANO, A. L. P., MARANGON, L. C., CAUÊ, H. A. Morfologia de sementes, de plântulas e de plântulas jovens de aroeira (Myracrodruon urundeuva Allemão). Revista de Biologia e Ciências da Terra, 8(1): 198-206, 2008.

GARIGLIO, M. A., SAMPAIO, E. V. S. B., CESTARO, L. A., KAGEYAMA, P. Y. Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da Caatinga. Brasília, Serviço Florestal Brasileiro, 2010. 368p.

GONÇALVES, M. P. M. Técnicas de recuperação florestal em áreas perturbadas na Caatinga, Ceará. Tese de doutorado, Departamento de Ciência Florestal, UFRPE, 2017.

HOGBERG, P. Root symbioses of trees in African dry tropical forest. Journal of Vegetation Science, 3:401–6, 1992.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA – INMET-Dados meteorológicos. Disponível em:http://www.inmet.gov.br. Acesso em: 08 Mai. 2017.

LABORIAU, L. G., VÁLIO, I. F. M., HERINGER, E. P. Sobre o sistema reprodutivo de plantas dos cerrados. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 36(4): 449-464, 1964.

LIMA, K. D. R., CHAER, G. M., ROWS J. R. C., MENDONÇA, V., RESENDE, A. S. Seleção de espécies arbóreas para revegetação de áreas degradadas por mineração de piçarra na caatinga. Revista Caatinga, 28(1): 203-213, 2015.

NASCIMENTO, F. R. Degradação ambiental e desertificação no nordeste brasileiro: O contexto da bacia do Rio Acaraú-CE. Tese de doutorado, Centro de Ordenamento territorial, UFF, 2006.

PAULA, R. R. Processos de transferência de N em curto e longo prazo em plantios mistos de Eucalyptus grandise Acacia mangium. Tese de doutorado, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, ESALQ, 2015.

RAMALHO, M. F. J. L. A fragilidade ambiental do Nordeste brasileiro: o clima semiárido e as imprevisões das grandes estiagens. Revista Sociedade e Território, 25(2): 104-115, 2013.

RESENDE, A. S. DE., CHAER, G. M. Manual para recuperação de áreas degradadas por extração de piçarra na Caatinga. Seropédica, Embrapa Agrobiologia, 2010. 78p.

Reserva Particular do Patrimônio Natural Serra das Almas - RPPN-SA. Plano de Manejo da Reserva Particular do Patrimonio Natural Serra das Almas. 3ª Iteração, Crateús, Associação Caatinga, 2012. 144p.

SOUZA, B. I., ARTIGAS, R. C., LIMA, E. R. V. Caatinga e desertificação. Mercator, 14(1): 131-150, 2015.

VIEIRA, H, DOS S. Recomposição vegetal utilizando a regeneração artificial, com e sem irrigação, em áreas ciliar do alto sertão sergipano. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Sergipe, 2012.

Downloads

Publicado

2019-04-30

Como Citar

GONÇALVES, M. da P. M. .; SILIPRANDI, P. C. P. da S. .; SILVA, G. S. P. da .; CHAGAS, A. O. V. das . Comportamento inicial de espécies nativas na recuperação de área ciliar em Caatinga. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 34–44, 2019. DOI: 10.31416/rsdv.v7i1.102. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/102. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Ciências Agrárias - Artigos