Produtos do tamarindo (Tamarindus indica L.) no sertão pernambucano: uma experiência de extensão tecnológica

Autores

  • Maria Simão da Silva IFSertãoPE
  • Ruana Sertão de Castro IFSertãoPE
  • Cosme José Ramos Cavalcanti
  • Luciana Cavalcanti de Azevedo IFSertãoPE

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v8i1.74

Palavras-chave:

Agricultura familiar, agroindústria, processamento de fruta

Resumo

O tamarindeiro (Tamarindus indica L.) é uma árvore originária da África, de onde se dispersou por vários países de clima tropical e subtropical. Trazida para o Brasil, as mudas dos tamarindeiros se adaptaram muito bem em vários estados, especialmente no Nordeste devido ao clima e ao solo semiárido, pois esta frutífera suporta temperaturas altas. No povoado de Caboclo, município de Afrânio/PE, foram catalogadas 26 plantas dessa frutífera. No entanto, apesar de possuir um numero significativo de tamarindeiros, nesta localidade o consumo e aproveitamento comercial do fruto ainda não ocorrem de forma significativa. Portanto, o principal objetivo deste trabalho foi incentivar o beneficiamento do fruto do tamarindo, a comercialização e a propagação dos seus derivados pela comunidade. Ao longo do projeto a comunidade foi capacitada e foram desenvolvidos alguns produtos derivados do tamarindo e, para todos eles foi estabelecido fluxo de processo, formulação padrão, embalagem, custo bruto de produção e vida-de-prateleira, sendo comercializados no mercado local. O licor e a geleia natural de tamarindo foram os produtos com melhor aceitação.

Biografia do Autor

Maria Simão da Silva, IFSertãoPE

Aluna do Curso de Tecnologia em Alimentos

Ruana Sertão de Castro, IFSertãoPE

Aluna do Curso de Tecnologia em Alimentos

Cosme José Ramos Cavalcanti

Presidente da Comissão de Revitalização de Caboclo

Luciana Cavalcanti de Azevedo, IFSertãoPE

Engenheira Quimica, Mestre em Ciência e Tecnologia em Alimentos, Doutora em Química Analítica

Referências

BARBOSA, R. L.; GALLIS, R. B. A.; HIRAGA, A. K.; SILVA, F. A. Quantificação e georreferenciamento semiautomático de árvores urbanas. REVSBAU, Curitiba –PR, v13, n.4, p. 41-53, 2018.

BINOJ, J.S ; EDWIN RAJ, R ; DANIEL, B.S.S. Comprehensive characterization of industrially discarded fruit fiber, Tamarindus indica L. as a potential eco-friendly bio-reinforcement for polymer composite. Journal of Cleaner Production, 2017, Vol.142, pp.1321-1331

CEBRI. Centro Brasileiro de Relações Internacionais. Extensão Tecnológica: Estudo de Benchmarking Internacional Micro e Pequenas Empresas. Rio de Janeiro, 2012.

COSTA, E.;FERREIRA, A. F. A.; SILVA, P. N. L.; NARDELLI, E. M. V. Diferentes composições de substratos e ambientes protegidos na formação de mudas de pé-franco de tamarindeiro. Rev. Bras. Frutic.,Jaboticabal -SP, v. 34, n. 4, p. 1189-1198, 2012.

DE CALUWÉ, E.; HALAMOVÁ, K.; VAN DAMME, P. Tamarindus indica L.: A review of traditional uses, phytochemistry and pharmacology Afrika Focus, Vol.23 (1), pp.53-83, 2010.

EBIFA-OTHIENO, E.; MUGISHA, A.; NYEKO, P.; KABASA, J. D. Knowledge, attitudes and practices in tamarind (Tamarindus indica L.) use and conservation in Eastern Uganda. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine 13:5, 2017.

FAVET, R., FRIKART, M.-J., POTIN, J. La valorisation du tamarin. Richesses et potentialités des agroressources dans les PED UE 9 –IAAS 3. Montpellier SupAgro, 2011.

FERREIRA, C. F.; Caracterização integral de frutos tamarindo (Tamarindus indica L.) do cerrado de Goiás, Brasil e aplicação em produtos drageados. Dissertação de Mestrado, UFG, Goiânia, 2018.

Guia Geográfico – Pernambuco. Disponível em: https://www.brasil-turismo.com/pernambuco/mapa.htm. Acesso em: 21/04/2020.

ISAAC, P. H.; BERMUDEZ, L. A.; DESSEN, M. C.; AFFIUNE, A. A. Extensão Tecnológica –uma possibilidade viável com relevantes impactos socioeconômicos. Anais da Semana Universitária UNB, 2012.

KURU, P. Tamarindus indica and its health related effects. Asian Pacific Journal of Tropical Biomedicine, Hainan, v. 4, n.9, p. 676-681, 2014.

LEITE, C. X. dos S.; BORGES, M. V.; SANTOS, M. R. C.; SANTOS, I. A.; SILVA, M. V. Subproduto de tamarindo: caracterização físico-química, fenólicos totais e capacidade antioxidante. Rev. Higiene Alimentar, v.33, p.1516, 2019.

LIM, C. Y.; JUNIT, S. M.; ABDULLA, M. A.; AZIZ, A. A.In vivo biochemical and gene expression. Analyses of the antioxidante activities and hypocholesrolaemic properties of tamarindus indica fruit pulp extract. Plos One, California, v. 8, n. 7, e70058, 2013.

LUZIA, D. M. M.; NEUZA, J. Antioxidant activity, fatty acid profile and tocopherols of Tamarindus indica L. seeds. Food Science and Technology, Vol.31 (2), pp.497-501.2011.

PEREIRA, P. C.; MELO, B.; FRANZÃO, A. A.; ALVES, P. R. B. (2011). A cultura do tamarindeiro (Tamarindus indica L.).Universidade Federal de Uberlândia, 2011. In: http://www.fruticultura.iciag.ufu.br/tamarindo.htm. Acesso em: 22/03/2020.

SANTOS, E. A. da S.;SANTOS, J. M.; SANTOS, T. S. S.; CORREA, S. J. P.; REIS, M. F. T. Desenvolvimento e caracterização da bebida alcoólica fermentada de tamarindo (Tamarindus indica).Rev. Higiene Alimentar, v. 33, p.3370, 2019.

VIEIRA, L. M.; SOUSA, M. S. B.; MANCINI FILHO, J.; LIMA, A. Fenólicos totais e capacidade antioxidante in vitro de polpas de frutos tropicais. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 33, n. 3, p. 888-897, 2011.

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

SILVA, M. S. da .; CASTRO, Ruana S. de .; CAVALCANTI , C. J. R. .; AZEVEDO, L. C. de. Produtos do tamarindo (Tamarindus indica L.) no sertão pernambucano: uma experiência de extensão tecnológica. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 105–116, 2020. DOI: 10.31416/rsdv.v8i1.74. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/74. Acesso em: 18 ago. 2022.