Fundamentos da filosofia Ubuntu: afroperspectivas e o humanismo africano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v8i2.52

Palavras-chave:

Filosofia Africana, Ubuntu, Humanidade

Resumo

A palavra Ubuntu tem origem nos idiomas zulu e xhosa do sul do continente africano e tem como significado a humanidade para todos. Nesse sentido, a Filosofia Ubuntu fundamenta-se em uma ética da coletividade, representada principalmente pela convivência harmoniosa com o outro e baseada na categoria do “nós”, como membro integrante de um todo social. Dessa forma, esse trabalho tem como objetivo refletir sobre os fundamentos da Filosofia Ubuntu, considerando-a como uma das várias correntes da filosofia africana. Assim, será desenvolvido através de uma pesquisa bibliográfica, requerendo o uso do método explicativo. A Filosofia Ubuntu resgata a essência de ser uma pessoa com consciência de que é parte de algo maior e coletivo. Para isso, de acordo com os fundamentos da Filosofia Ubuntu, somos pessoas através de outras pessoas e que não podemos ser plenamente humanos sozinhos, sendo feitos para a interdependência. Nesse contexto, fundamenta-se nas relações entre o divino, a comunidade e a natureza. Porém, a Filosofia Ubuntu procura resgatar o conceito de Comum para alcançar a democracia, ou seja, uma multiplicidade de singularidades. Para tal, tem a igualdade como um princípio fundamental e condicional para a existência do outro.

Biografia do Autor

Kellison Lima Cavalcante, IFSertãoPE

Graduação em Tecnologia em Irrigação e Drenagem; Licenciatura em Biologia e Mestrado em Tecnologia Ambiental

Referências

CASTIANO, J. P. Referenciais da filosofia africana: em busca da intersubjectivação. Maputo, Moçambique: Editora Ndjira, 2010.

CHAUA, R. Sobre África: questões, tradições e ubuntu. Pensando os ritos de iniciação em Moçambique. Revista Teias, v. 15. n. 35, p. 38-53, 2014.

CUNHA JUNIOR, H. Ntu. Revista Espaço Acadêmico, v. 9, n.108, maio, 2010.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia?3. ed. Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010.

EZE, E. C. Pensamiento africano: ética y política. Barcelona: Ed. Bellaterra, 2001.

KAGAME, A. La philosophie Bantu comparée. Paris: Presence Africaine, 2013.

LOUW, D. Ser por meio dos outros: o ubuntu como cuidado e partilha. Entrevista. Trad.: Luís Marcos Sander. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, ed. 353, ano X, p. 5-7, 2010.

MALOMALO, B. “Eu só existo porque nós existimos”: a ética Ubuntu. Entrevista. Trad.: Moisés Sbardelotto. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, ed. 353, ano X, p. 19-22, 2010.

MALOMALO, B. Filosofia do Ubuntu: Valores civilizatórios das ações afirmativas para o desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2014.

MUDIMBE, V. Y. A invenção de África. Gnose, filosofia e a ordem do conhecimento. Luanda: Edições Pedago, 2013.

NASCIMENTO, A. Ubuntu como fundamento. UJIMA -Revista de Estudos Culturais e Afrobrasileiros, n. 1, jun., 2016.

NASCIMENTO, C. E. G. A ética filosófica do Ubuntu na sala de aula: um debate sobre o racismo no futebol brasileiro. Revista Ideação, edição especial, p. 319-338, 2017.

NASCIMENTO, W. F. Aproximações brasileiras às filosofias africanas: caminhos desde uma ontologia ubuntu. Prometeus, ano 9, n. 21, edição especial, p. 231-245, dez., 2016.

NASCIMENTO, W. F.; BOTELHO, D. Colonialidade e Educação. O currículo de filosofia brasileiro entre discursos coloniais. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n. 14, p. 66-89, maio/out., 2010.

NASCIMENTO, W. F. Outras vozes no ensino de filosofia: o pensamento africano e afro-brasileiro. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n. 18, p. 74-89, maio/out., 2012.

NOGUERA, R. Ubuntu como modo de existir: elementos gerais para uma ética afroperspectivista. Revista da ABPN, v. 3, n. 6, p. 147-150, fev., 2012.

ONDÓ, E. N. Síntesis sistemática de la filosofía africana. Barcelona. Edicionescarena, 2000.

RAMOSE, M. B. A importância vital do “Nós”. Entrevista. Trad.: Luís Marcos Sander. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, ed. 353, ano X, p. 8-9, 2010.

RAMOSE, M. B. African philosophy through ubuntu. Harare: Mond Books, 1999.

RAMOSE, M. B. An african perspective on justice and race. 2001. Disponível em: <https://them.polylog.org/3/frm-en.htm>. Acesso em: 21 set. 2019.

SARAIVA, L. A. F. O que e quem não é ubuntu: crítica ao “eu” dentro da filosofia ubuntu. Problemata: R. Intern. Fil., v. 10, n. 2, p. 93-110, 2019.

SWANSON, D. Ubuntu, uma “alternativa ecopolítica” à globalização econômica neoliberal. Entrevista. Trad.: Luís Marcos Sander. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, ed. 353, ano X, p. 10-13, 2010.

TEMPELS, P. La Philosophie Bantoue. Paris: Presence Africaine, 2013.

VASCONCELOS, F. A. Filosofia ubuntu. Logeion: Filosofia da Informação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 100-112, mar./ago. 2017.

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

CAVALCANTE, K. L. . Fundamentos da filosofia Ubuntu: afroperspectivas e o humanismo africano. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 184–192, 2020. DOI: 10.31416/rsdv.v8i2.52. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/52. Acesso em: 9 ago. 2022.