Educação Anarquista: uma proposta

Autores

  • Hilson Santos Olegario Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v8i2.53

Palavras-chave:

Filosofia, Educação, Deleuze

Resumo

Este artigo aborda parte de uma pesquisa realizada pelo Mestrado Profissional de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. A intervenção foi praticada numa sala de aula do primeiro ano do Ensino Médio durante a disciplina de filosofia, buscando favorecer o aprendizado de temas filosóficos pelo estudante através de um ensino considerado anarquista, o qual tem o intento de favorecer a autonomia e a responsabilidade do estudante na construção de seu próprio aprendizado em conexão com a sua realidade. Pensada como uma possibilidade para evitar uma educação homogênea e autoritária, tal experiência foi fundamentada no horizonte conceitual do pensador francês Gilles Deleuze (2010), dentro de sua perspectiva apontada com antihierárquica chamada por ele de rizomática em oposição ao modelo arborescente; junto a isto veremos algumas críticas de pensadores anarquistas em relação à educação capitalista e à sua reprodução da exploração. Utilizamos comentadores como Silvio Gallo, pois nos ajudam a fazer um deslocamento conceitual das obras deleuzianas numa adaptação para a realidade brasileira. Trabalharemos assim com desterritorializações, reterritorializações e atualizações como processos contínuos do pensamento, os quais resultam no próprio aprendizado com a sua crítica e a criação conceitual, tendo como nosso objeto de observação a sala de aula: desde uma compreensão de educação menor, distante das instâncias da educação maior como coordenações, secretarias e ministério, possuindo, essencialmente, a função de impedir a reprodução da homogeneidade e da heteronomia do que se deve e quando aprender encontrada na educação tradicional.

Referências

BAKUNIN, M. Socialismo libertário. Tradutor: Olinto Beckerman. São Paulo: Global Editora e Distribuidora, 1979.

______. O conceito de liberdade. Tradutor: Jorge Dessa. Porto: Edições Res Limitada, 1975.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Tradutor: Luiz Orlandi, Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______, G. A dobra: Leibniz e o barroco. Trad. Luiz B. L. Orlandi. Campinas, São Paulo: Papirus, 1991.

______, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. 2a ed. São Paulo: Editora 34, 2000.

FOUAULT, Michel. Microfísica do poder. Org. Tradução: Roberto Machado. 4ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

______, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

GALLO, Silvio. Educação anarquista: um paradigma para hoje. Piracicaba: Ed. Unimep, 1995.

______, Silvio. A escola pública numa perspectiva anarquista. VERVE. Nº 01/2002a. ISSN: 1676-9090

______, Silvio. Em torno de uma educação menor. n. 27(2), p. 169-178, jul./dez. 2002b.

MALATESTA, Errico. Anarquismo e anarquia. Tradução: Felipe Corrêa. Faísca: 2009.

PROUDOHN, J. O que é a propriedade?.2a ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1975.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documento de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2a ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

WOODCOCK, George. História das ideias e movimentos anarquistas –v. 1: a ideia. Tradutor: Júlia Tettamanzy. Porto Alegre: L&PM Editores, 2002.

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

OLEGARIO, H. S. . Educação Anarquista: uma proposta. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 193–205, 2020. DOI: 10.31416/rsdv.v8i2.53. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/53. Acesso em: 18 ago. 2022.