Economias em desenvolvimento e o Consumo de Frutas e Hortaliças

Autores

  • Rosemary Barbosa de Melo IFSertãoPE
  • Reney Dorow Epagri
  • Caroline Pauletto Spanhol Finocchio UFMS
  • Thiago Borges Feitosa UNIVASF

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v4i3.144

Palavras-chave:

Alimentação saudável, renda, obesidade, consumo, agronegócio

Resumo

O Objetivo é analisar o consumo de Frutas e Hortaliças (F&H) no Brasil, verificar a influência da renda nesse consumo e identificar ações de intervenção para a obesidade através do estímulo ao seu consumo, tendo em vista que a sua ingestão é benéfica tanto para a saúde da população quanto para o agronegócio dos setores frutícola e olerícola brasileiros. Foram utilizados os dados de consumo de frutas e hortaliças, de renda e os referentes à prevalência do excesso de peso e obesidade disponíveis nos relatórios da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nos anos de 2002-03 e 2008-09. Também utilizou-se os dados de pesquisa da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL, 2010). Foram realizadas comparações de consumo de F&H entre as grandes regiões brasileiras, utilizando o teste estatístico Kruskall-Wallis para verificar se havia diferenças significativas entre elas com relação ao consumo médio desses produtos. Para analisar a influência da renda no consumo de F&H foi utilizada a Correlação de Pearson. Também foi realizada entrevista com uma profissional de nutrição. Como resultado observou-se que o consumo de F&H no Brasil está abaixo do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Também se identificou que a renda exerce influência no consumo desses alimentos. Verificou-se, ainda, que há um esforço em desenvolver ações de intervenção para a obesidade no Brasil, tanto na dimensão micro como na macroambiental, através do incentivo ao consumo de F&H nas escolas voltadas público infanto-juvenil e das campanhas publicitárias direcionadas ao público em geral. Implicações Práticas: O estudo aponta para a necessidade de formulação e implantação de estratégias de marketing que estimulem o consumo de frutas e hortaliças, sem desconsiderar a influência da renda no consumo desses produtos. A originalidade está em abordar a importância do agronegócio de frutas e hortaliças para prevenir e combater a obesidade, esta, por sua vez, considerada um problema de saúde pública.

Biografia do Autor

Rosemary Barbosa de Melo, IFSertãoPE

Doutoranda em Agronegócios/UFRGS
Prof. IF sertão PE em Agronegócios
Mestre em Administração Rural e Comunicação Rural/UFRPE
Bacharel em Ciências Econômicas Economia Rural

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa:

Edições 70, 1977.

BOOTH, K. M.; PINKSTON, M. M.; POSTON,

W. S. Obesity and the built environment. J

Am Diet Assoc. 2005 May;105(5 Suppl 1):

S110-7.

BRAGA, D.; BANZATO, T. C. Alimentação

escolar: merenda é oportunidade para o

hortifrutiultor. São Paulo, ano 8, No. 89, abr.

BRASIL. Guia alimentar para a população

brasileira: promovendo a alimentação

saudável. Ministério da Saúde. Secretaria de

Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde,

p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de

Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão

Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil

Vigilância de fatores de risco e proteção

para doenças crônicas por inquérito telefônico.

Brasília: Ministério da Saúde, 152 p. (Série G.

Estatística e Informação em Saúde). 2011a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de

Vigilância em Saúde. Departamento de Análise

de Situação de Saúde. Plano de ações

estratégicas para o enfrentamento das

doenças crônicas não transmissíveis (DCNT)

no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da

Saúde. 2011b.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo

Nacional de Desenvolvimento da Educação.

Programa de alimentação Escolar. Brasília:

Ministério da Educação. 2011c. Disponível

em: http://www.fnde.gov.br/index.php/ae-

apresentacao. Acesso em: 30 ago. 2012.

BRASIL. Portaria Interministerial no 1.010

de, 08 de maio de 2006. 2006. Disponível em:

http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/P

ort2006/GM/GM-1010.htm. Acesso em: 30 ago.

Confederação Nacional de Agricultura.

Pesquisa Quantitativa: Consumo de fruta e

hortaliças. Connection Research. 2011.

Disponível em:

http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/.../

Hortalicas/25.../Promocao_Consumo.pdf

Acesso em: 26 ago. 2012.

CYPRESS, M. Looking upstream. Diabetes

Spectrum. Vol. 17, 2004, pp. 249-253.

DIETZ, W. H. Therapeutic strategies in

childhood obesity. Horm Res, pp. 1993; 39,

Suppl 3:86- 90.

EPSTEIN L.H., WING R.R., VALOSKI A.

Childhood obesity. Pediatr Clin North Am

Journal of the American Dietetic Association,

New York, Vol. 105, No. 5, pp. 110S-117S,

Supplementum 1. 2005.

FAO/WHO/ONU. Human energy requirements.

Report of a Joint FAO/WHO/UNU Expert

Consultation. FAO Food and Nutrition

Technical Report Series No. 1. Rome: Food

and Agriculture Organization. 2004.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

(IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde do

Escolar (PENSE). 2009. Disponível em:

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/popula

cao/condicaodevida/. Acesso em: 28 ago. 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

(IBGE). Estudo Nacional da Despesa Familiar

(Endef) 1974-1975. 1976. Disponível em:

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/popula

cao/condicaodevida/. Acesso em: 28 ago. 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

(IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares

(POF) 2002-2003. Antropometria e estado

nutricional de crianças, adolescentes e

adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2004a.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

(IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares

(POF) 2002-2003, Aquisição de alimentos

Domiciliar per capita: Brasil e grandes

regiões. 2004b. Disponível em:

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/popula

cao/condicaodevida/. Acesso em: 23 ago. 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

(IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares

(POF) 2008-2009. Antropometria e estado

nutricional de crianças, adolescentes e

adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2010a.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

(IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares

(POF) 2008-2009, Aquisição de alimentos

Domiciliar per capita: Brasil e grandes regiões.

b. Disponível em:

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/popula

cao/condicaodevida/. Acesso em: 25 ago. 2012.

JULIÃO, L. et al.; SÁBIO, R. P.; GALESKAS,

H. Marketing de hortifrutis. HortiFruti

Brasil. São Paulo, ano 10, No. 109, pp. 6-10,

jan./fev. 2010.

LIU, S.; MANSON, J.E., LEE, I.M., COLE,

S.R., HENNEKENS C.H., WILLETT W.C. et

al. Fruit and vegetable intake and risk of

cardiovascular disease: the Women’s Health

Study. Am J Clin Nutr. Vol. 72, No. 4, pp. 922-

2000.

MACINTYRE, S., ELLAWAY, A., CUMMINS,

S. Place effects on health: how can we

conceptualise, operationalise, and measure

them? Soc Sci Med, Vol. 55, pp. 125–139. 2002.

MALTA, D. C.; MOURA, L.; SOUZA, M. F. et

al. Lung cancer, cancer of the trachea, and

bronchial cancer: mortality trends in Brazil,

-2003. J. Bras. Pneumol. No.33, pp. 536-

2007.

NATIONAL HEART FORUM (UK). At least

five a day: strategies to increase vegetable and

fruit consumption. London: National Forum.

a.

OECD. Health at a Glance 2011: OECD

Indicators. 2011. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1787/health_glance-2011.

Acesso em: 25 ago. 2012.

POPKIN, B. M.; DOAK, C.M. The obesity

epidemic is a wordwide phenomenon. Nutrition

Review. Vol. 56, pp 106-114. 1998.

RIBOLI, E.; NORAT, T. Epidemiologic

evidence of the protective effect of fruit and

vegetables on cancer risk. American Journal of

Clinical Nutrition, No. 78 (Supl.), pp. 559S-

S. 2003.

SCHMIDT, M. I.; DUNCAN, B. B.; SILVA, G.

A.; MENEZES, A. M.; MONTEIRO, C. A.;

BARRETO, S. M.; CHOR, D.; MENEZES, P. R.

Chronic non-communicable diseases in Brazil:

burden and current challenges. The Lancet,

No377. 2011.

Sociedade Brasileira De Cirurgia Bariátrica E

Metabólica. Evolução da Cirurgia Bariátrica

e Metabólica no Brasil. 2012. Em:

http://www.sbcb.org.br/cbariatrica.asp?menu=0

. Acesso em: 30 ago. 2012.

SWINBURN, M.D.; EGGER, G.; RAZA, F.

Dissecting Obesogenic Environments: The

Development and Application of a Framework

for Identifying and Prioritizing Environmental

Interventions for Obesity. Preventive

Medicine, Vol. 29, pp 563–570. 1999.

United States Department of Agriculture

(USDA). National Nutrient Database for

Standard Reference. Agricultural Research

Service. EUA, No.72. 2010. Disponível em:

http://www.unifesp.br/dis/servicos/nutri/.

Acesso em: 28 ago. 2012.

World Cancer Research Fund (WCRF). Food,

nutrition and the prevention of cancer: a

global perspective. Washington DC: AICR,

Disponível em:

http://eprints.ucl.ac.uk/4841/1/4841.pdf.

Acesso em: 29 ago. 2012.

World Health Organization. Obesity and

overweight. What are overweight and obesity?

WHO, 2011a. Disponível em:

http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs31

/en. Acesso em: 29 ago. 2012.

World Health Organization. The World health

report 2002: Reducing risks, promoting healthy

life. Geneva: WHO, 2002. Disponível em:

http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs31

/en/. Acesso em: 29 ago. 2012.

World Health Organization. Working to

overcome the global impact of neglected

tropical diseases. WHO, 2011b. Disponível em:

http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs31

/en. Acesso em: 29 ago. 2012.

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

MELO, R. B. de .; DOROW, R. .; FINOCCHIO, C. P. S. .; FEITOSA, T. B. . Economias em desenvolvimento e o Consumo de Frutas e Hortaliças. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 108–122, 2016. DOI: 10.31416/rsdv.v4i3.144. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/144. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Ciências Sociais Aplicadas - Artigos