Brunello Di Montalcino o Vinho 100% Sangiovese da Toscana

Autores

  • Rodrigo Campelo silva Unibra - Centro Universitário Brasileiro

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v9i2.212

Palavras-chave:

Vitis vinífera. Sangiovese. Brunello di Montalcino. Vinho Tinto. Toscana.

Resumo

Este trabalho descreve uma fração da vinicultura italiana, inicialmente abordando aspectos históricos em um panorama geral, trafegando pela origem das videiras, bem como possivelmente as mesmas foram difundidas na região do Mediterrâneo. Esta pesquisa desloca-se superficialmente pela enologia da Itália, apontando suas regiões produtoras e a classificação de seus rótulos, estreitando-se à Toscana com dados referentes à sua importância histórica, às suas castas praticadas, seu terroir, alguns de seus vinhos famosos e suas características, bem como sua importância econômica. Finda restringindo-se à região de Montalcino com o seu vinho Brunello, apresentando inicialmente a cepa sangiovese, exibindo sua possível origem, suas particularidades físicas e variações, sua importância para o quadro vinícola da região, assim como suas características gastronômicas. Em seguida expõe o rótulo Brunello di Montalcino, apontando o terroir e o cenário produtivo do local especializado em sua fabricação, passando pela legislação que rege a concepção do rótulo citado, o responsável por trás de sua criação, suas características sensoriais, algumas harmonizações e preparações usando o mesmo, assim como o volume de videiras dedicadas à vinificação praticadas na região. Este documento nomeou o vinho Brunello di Montalcino como representante da casta sangiovese, por se tratar de um rótulo totalmente composto pela mesma, empenhando-se assim em entregar dados expressivos à luz de bases históricas, culturais, econômicas e gastronômicas. Através do levantamento de dados a partir de fontes escritas, como artigos acadêmicos, livros e revistas científicas, pode-se constatar que o vinho Brunello di Montalcino, a Toscana e a uva sangiovese, carregam consigo relevante importância para enologia italiana.

 

Referências

AMARANTE, J. O. O segredo dos Vinhos para Iniciantes e Iniciados. 4º Edição. SP: Editora Mescla Editorial, 2015. p. 85-243-251-257-258-259.

AMATO, V. Wine Landscape of Italy. Università degli Studi del Molise. 2017. Disponível em <https://www.researchgate.net/publication/318012731_wine_landscape_of_italy>. p. 527-528. Acesso em 10/04/2020.

ARMELLINI, R. Le Trasformazioni del Paesaggio Rurale di Montalcino tra Ottocento e Attualità: Transformation of Rural Landscapein Montalcino Between Nineteenth Century and Nowadays. Università di Firenze. 2012. Disponível em: <https://core.ac.uk/download/pdf/41179437.pdf>. p. 6. Acesso em 11/03/2020. Acesso em 03/04/2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SOMMELIERS (ABS). Sommelier – Módulo Básico. PR. [Apostila de sala de aula]. 2012. p. 7-9-173.

BELLINI, N; CLERGEAU, C; ETCHEVERRIA, O. Gastronomy and Local Developmen: The Quality of Products, Places and Experiences. Editora Routledge. 2019.

BLONDEL, E. Accounting for the success of Pinot Grigio, Prosecco and Brunello di Montalcino. Itália. 2013. Disponível em:<http://www.conservatoriodelvino.cl/ensayos/?b5-file=1824&b5-folder=1823>. p. 4. Acesso em: 14/03/2020.

CANUTI, V; PUCCIONI, S; STORCHI, P; ZANONI, B; PICCHI, M; BERTUCCIOLI, M. Enological Eligibility of Grape Clones Based on the Simca Method: the Case of the Sangiovese Cultivar from Tuscany. Ital. J. Food Sci., vol. 30. 2018. Disponível em:<https://chiriottieditori.it/ojs/index.php/ijfs/article/view/1020/374>. p. 185. Acesso em 13/04/2020.

CERTOMÀ, C. Brunello di Montalcino: Understanding and Apprecianting on of Greatest Italy’s Wine. Journal Wine Research. Università Ca’ Foscari Venezia. 2013. Disponível em:<https://www.researchgate.net/publication/263250026_Brunello_di_Montalcino_Understanding_and_appreciating_one_of_Italy's_greatst_wines>. p. 2. Acesso em 13/04/2020.

COLOMBINI, D. C. Wine Tourism in Italy. International Journal of Wine Research. 2016. Disponível em :<https://pdfs.semanticscholar.org/df2e/4c62dbc50976da6adc3512c00e939dcb25a2.pdf>. p. 32. Acesso em 21/04/2020.

CONISON, A. The Organization of Rome’s Wine Trade. A dissertation submitted in partial fulfillment of the requirements for the degree of doctor of philosophy, University of Michigan. 2012. Disponível em:< http://hdl.handle.net/2027.42/91455 >. p. 6-7. Acesso em: 15/03/2020.

D’AGATA, I. Native Wine Grapes of Italy. Editora University of California Press, 2014. p. 430.

GUNNARSON, E; GUNNARSON, M. Sangiovese. institutionen för kostoch idrottsvetenskap. 2016. Disponível em:<http://rentasommelier.nu/wp-content/uploads/2016/04/Projektarbete-Sangiovese-1.pdf>. p. 1. Acesso em 13/04/2020.

HAYES, D. J; LENCE, S. H. A New Brand of Agriculture? Farmer-Owned Brands Reward Innovation. Iowa State University. 2015. Disponível em: < http://lib.dr.iastate.edu/iowaagreview/vol8/iss4/2>. p. 5. Acesso em 04/04/2020.

JOHNSON, H; ROBINSON, J. Atlas Mundial do Vinho. 7º Edição. Editora Globo S/A. 2013. p. 148-173

LAVILLA, J. The Wine, Beer & Spirits: A guide to Styles and Service. The international culinary schools at the art institutes. Editora Wiley . 2010. P. 9-11-13-224-225.

LILA, C. Introdução ao Mundo do Vinho. SP: Editora VMF Martins Fontes, 2016. p. 8-9-43.

MACNEIL, K. The Wine Bible. 2ºEdição. Editora workman publishing company, 2015.

MALAFAIA, G. C; AZEVEDO, D. B; BARCELLOS, J. O. J. Terroir, empreendedorismo e mecanismos de coordenação na pecuária de corte. Revista Brasileira de Zootecnia. 2011. Disponível em: <http://www.sbz.org.br/revista/artigos/66276.pdf>. p. 214. Acesso em 11/03/2020.

MANFREDI’S, S. Italian Food. Crows Nest, Editora Fairfax Books, 2013.

MASELLIS, G. Barolo Et Brunello Di Montalcino : Symboles D’excellence Vitivinicole Italienne. Territoires du vin. 2018. Disponível em:<http://preo.u-bourgogne.fr/territoiresduvin/index.php?id=1361>. p. 1-2-4. Acesso em: 14/03/2020.

MASELLIS, G. Montalcino e il suo Brunello: Evoluzione e Affirmazione. Territoires du vin. 2014. Disponível em:< https://preo.u-bourgogne.fr/territoiresduvin/index.php?id=828>. p. 3-4. Acesso em: 12/04/2020.

NIEDERLE, P. A. O Mercado Vitivinícola e a Reorganização do Sistema de Indicações Geográficas na Região do Languedoc, França. Vol 14, Num 2. Organizações Rurais & Agroindustriais. Universidade Federal de Lavras. MG. 2012. Disponível em:<https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87823628002>. p. 158. Acesso em 09/03/2020.

O’KEEFE, K. Brunello di Montalcino: Understanding and Apprecianting on of Greatest Italy’s Wine. Editora University of California Press 2012. p. 269-271-272.

PACHECO, A.O. Iniciação à Enologia. 6º Edição. SP: Editora Senac, 2014. p. 41-126-127.

PRODANOV, C. C; FREITAS, E. C. Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa E do Trabalho Acadêmico. 2º Edição. RS: Editora Feevale. e-book. 2013. p. 54.

PUCCIONI, S; ZOMBARDO, A; EPIFANI, A. M; GIANNETTI, F. Caratterizzazione della composizione fenolica di vini rossi da varietà autoctone toscane. Rivista internet di viticoltura ed enologia, 2013, n. 7/3. Disponível em:<https://www.infowine.com/intranet/libretti/libretto10858-01-1.pdf>. p. 1. Acesso em: 15/03/2020.

PUCKETTE, M; HAMMACK, J. Winefolly: O guia Essencial do Vinho. RJ: Editora Intrísseca Ltda, 2015. p. 222.

SANTINI, C; GILINSKY, A; CAVICCHI, A; CLAPS, M. A Vision, a Wine and a Shining Star in the Shadow of Montalcino: The Story of a Biodynamic Pioneer In the Heart of Tuscany. Bordeaux Management School – BEM – France. 2011. Disponível em:<https://www.academia.edu/1167391/A_vision_a_wine_and_a_shining_Star_in_the_shadow_of_Montalcino_the_story_of_a_biodynamic_pioneer_in_the_heart_of_Tuscany>. p. 3-4. Acesso em 02/04/2020.

SCALABRELLI, G; D’ONOFRIO, C. Sangiovese. Dipartimento di Scienze Agrarie, Alimentari e Agro-ambientali – università di Pisa. 2012. Disponível em:< http://hdl.handle.net/11568/781543>. p. 2. Acesso em: 15/03/2020.

SCHLEMPER, C. Qualidade da Uva e do Vinho da “Sangiovese” Submetida ao Raleio de Cachos em Região de Altitude. Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. 2010. Disponível em: < http://tede.udesc.br/tede/tede/1288>. p. 14-15. Acesso em 11/03/2020.

SIGNORINI, M. Effetti di Trattamenti com Induttori di Resistenza sui Caratteri Produttivi e Qualitativi Della Varietà Sangiovese a

Montalcino. Università Degli Studi di Verona Dipartimento di Biotecnologie. 2016. Disponível em:<https://www.infowine.com/intranet/libretti/0/17365Tesi%20Signorini%20%20Universit%C3%A0%20degli%20studi%20di%20Verona%20%2024_11_2017.pdf>. p. 6-7-8. Acesso em 04/04/2020.

TORREGROSA, L; VIALET, S; ADIVÈZE, A; LOCCO-CORENA, P; THOMAS, M. R. Agrobacterium Protocols. 3º Edição. Vol 2. Editora Humana Press, 2015. p. 117.

VOUILLAMOZA, J. F; MONACOB, A; COSTANTINIA, L; STEFANINIA, M; SCIENZAC, A; GRANDOA, M. S. La parenté du ‘Sangiovese’. University of Neuchâtel. 2014. Disponívem em: <https://www.researchgate.net/publication/228509236>. p. 3. Acesso em 10/03/2020.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

SILVA, R. C. Brunello Di Montalcino o Vinho 100% Sangiovese da Toscana. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 103–120, 2021. DOI: 10.31416/rsdv.v9i2.212. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/212. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

Ciências Exatas e da Terra - Artigos