QUALIDADE DA ÁGUA MINERAL COMERCIALIZADAS EM VÁRIOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

Autores

  • Filipe Araújo de Carvalho IFSertãoPE
  • Adriana de Carvalho Figueiredo IFSertãoPE
  • Cristiane Ayala de Oliveira IFSertãoPE

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v4i1.160

Palavras-chave:

Padrões, físico químicos, microbiológicos, métodos

Resumo

Este trabalho teve por objetivo fazer um estudo sobre as publicações realizadas com análises físico-químicas e microbiológicas da água mineral comercializada no País. Foi feito um levantamento de trabalhos publicados nos últimos anos, dando maior atenção aos que fizeram análises físico-químicas e microbiológicas da água mineral e alguns desses, utilizaram métodos similares. A partir dessa pesquisa bibliográfica pode-se concluir que os resultados encontrados por os autores citados não são satisfatórios em relação aos padrões microbiológicos, sendo portanto uma potencial fonte de risco a saúde do consumidor. Constatou-se também, que apesar dos parâmetros físico-químicos estarem dentro dos padrões de potabilidade, os rótulos estão com informações divergentes em relação às quantidades dos sais analisados e ainda a necessidade de novas pesquisas nessa área, visando verificar a qualidade da água mineral comercializada no país, garantindo ao consumidor um produto saudável.

Referências

BETTEGA, J. M. P. R.; MACHADO, M. R.;

PRESIBELLA, M.; BANISKI, G.;

BARBOSA, C. A. Métodos analíticos no

controle microbiológico da água para

consumo humano. Ciênc. Agrotec., Lavras,

v. 30, n. 5, p. 950-954, set./out., 2006.

BRASIL. ANVISA. Resolução RDC no 173,

de 13 de setembro de 2006. Dispõe sobre o

Regulamento Técnico de Boas Práticas para

Industrialização e Comercialização de Água

Mineral Natural e de Água Natural e a Lista

de Verificação das Boas Práticas para

Industrialização e Comercialização de Água

Mineral Natural e de Água Natural.

BRASIL. Fundação Nacional de Saúde.

Manual prático de análise de água. 2a ed.

rev. - Brasília: Fundação Nacional de Saúde,

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria MS

n.o 518/2004. Estabelece os procedimentos e

responsabilidades relativos ao controle e

vigilância da qualidade da água para consumo

humano e seu padrão de potabilidade, e dá

outras providências.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no

914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe

sobre os procedimentos de controle e de

vigilância da qualidade da água para consumo

humano e seu padrão de potabilidade.

CARVALHO, T. R. Análise microbiológica

de areia de praias do município de Vitória/ES

pelas técnicas de tubos múltiplos e membrana

filtrante. 2014. Trabalho de Conclusão de

Curso (Graduação em Ciências Biológicas)

Faculdade Católica Salesiana do Espírito

Santo. Vitória. Disponível em:

<http://www.catolica-

es.edu.br/fotos/files/TCC_Tarcila_CB_Reduz

ido.pdf> Acesso em 13 jun. 2016.

CARVALHO, D.R.; GORTUNATO, J.N.;

VILELA, A.F.; BADARÓ, A.C.L. et al.

Avaliação da qualidade físico-química e

microbiológica da água de um campus

universitário de Ipatinga – MG. Ver. Digital

de Nutrição, v.3, n.5, p.417-427, 2009.

CASTANIA, J. Qualidade da água utilizada

para consumo em escolas públicas

municipais de ensino infantil de Ribeirão

Preto – SP. Dissertação (Mestrado). Área de

concentração: Enfermagem em Saúde

Pública. 146 p., 2009.

CASTRO, L. R.; CARVALHO, J. S.; VALE,

V. L. C. Avaliação microbiológica de

diferentes marcas de água mineral. Ver. B. S.

Publica, v.34, n.4, p. 835-844, 2010.

CUNHA, H. F. A.; LIMA, D. C. I.; BRITO,

P. N. de F.; CUNHA, A. C. da; SILVEIRA

JUNIOR, A. M. da; BRITO, D. C. Qualidade

físico-química e microbiológica de água

mineral e padrões da legislação. Rev.

Ambiente & Água, Taubaté, v. 7, n. 3, p.

-165, 2012.

FERNANDES, L. L.; GOIS, R. V. Avaliação

das principais metodologias aplicadas às

análises microbiológicas de água para

consumo humano voltadas para a detecção de

coliformes totais e termotolerantes. Revista

Científica da Faculdade de Educação e

Meio Ambiente, v. 6, p. 49-64, 2015.

GALVÃO, M. F.; SILVA, P. A. S. S.;

FIGUEIREDO, E. L. Perfil físico-químico e

microbiológico de águas minerais

comercializadas no município de Marabá –

Pará. Ver. Brasileira de Tecnologia

Agroindustrial. v. 07, n. 2, p. 1088-1097,

GUSMÃO, I. C. C. P.. Avaliação

microbiológica, fisíco-química de águas

minerais comercializadas em Vitória da

Conquista. Rev. Eletronica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental –

REGET. V. 18 n., p. 7 – 13, abr. 2014.

KOSLOSKI, V. R.; MEMLAK, D. M.;

PIGATTO, J.; CARESIA, L. R. B.

Determinação do Método de Dureza Total em

Água. Revista Banas Qualidade, p. 100 -

, maio, 2015. Disponível em:

<http://www.resag.org.br/downloads/metodo_

dureza_total.pdf> Acesso em: 13 mai. 2016.

LEAL, M. P. N.; BRITO NETA, M. S.; REIS,

A. S. dos. Análise físico-química,

microbiológica de água mineral produzida no

Nordeste e comercializada em Teresina –

Piauí. Rev. Interdisciplinar. v.6, n.2, p.33-

, abr./mai./jun., 2013.

LEÃO, M. F.; OLIVEIRA, E. C.; PINO, J. C.

D. Análises de água: um estudo sobre os

métodos e parâmetros que garantem a

potabilidade dessa substância fundamental

para a vida. Revista Destaques Acadêmicos,

vol. 6, n. 4, p. 40-47, 2014. -

CETEC/UNIVATES. Disponível em:

<http://www.univates.br/revistas/index.php/de

staques/article/viewFile/1144/668> Acesso

em: 13 mai. 2016.

LECLERC, H.; MOREAU, A.

Microbiological safety of natural mineral

water. FEMS Microbiology Reviews, v. 26,

n. 2, p. 207-222, 2002.

MAVRIDOU, A. Study of the bacterial flora

of a non-carbonated natural mineral water.

Journal of Applied Microbiology, v. 73, n.

, p. 355-361, 1992.

MIHAYO, I. Z. & MKOMA, S. L. Chemical

water quality of bottled drinking water brands

marketed in Mwanza city, Tanzania.

Research Journal of Chemical Scienc, v.2,

n.7, p.21-26, 2012.

PARRON, L. M.; MUNIZ, D. H. F.;

PEREIRA, C. M. Manual de procedimentos

de amostragem e análise físico-química de

água. Colombo-PR: Embrapa Florestas, 2011

(Série Documentos).

PONTARA, A.V.; OLIVEIRA, C.D.D.;

BARBOSA, A.H.; SANTOS, R.A.; PIRES,

R.H.; MARTINS, C.H.G. Microbiological

monitoring of mineral water commercialized

in Brazil. Brazilian Journal of

Microbiology, v. 42, n. 2, p. 554-559, 2011.

REIS, J.A.; HOFFMANN, P.; HOFFMANN,

F.L. Ocorrência de bactérias aeróbias

mesófilas, coliformes totais, fecais e

Escherichia coli, em amostras de águas

minerais envasadas, comercializadas no

município de São José do Rio Preto, SP. Rev.

Higiene Alimentar, v.20, n.145, p.109-116,

REIS, L. R.; BEVILACQUA, P. D.;

CARMO, R. F.. Água envasada: qualidade

microbiológica e percepção dos consumidores

no município de Viçosa (MG). Cad. Saúde

Colet., Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 224-32,

RESENDE, A. Perfil microbiológico da água

mineral comercializada no Distrito Federal.

SaBios (Online), v.3, p.16-22, 2008.

SANTANA, A. S.; SILVA, S. C. F. L.;

FARANI, I. O. JR.; AMARAL, C. H. R.;

MACEDO, V. F. Qualidade microbiológica

de água mineral. Ciênc. Tecnol. Aliment.,

Campinas, v. 23 (suplemento), p. 190-194,

dez., 2003.

VIANNA, R. C.; JUNIOR, C. C. V.;

VIANNA, R. M.. Os recursos de água doce

no mundo – situação, normatização e

perspectiva. Rev. JURIS. Rio Grande, v. 11,

p. 247-269, 2005.

VILLELA, L. C.; CALDAS, V. T.; GAMBA,

R. C. Análise microbiológica em águas

minerais envasadas em embalagens de 510

ml, comercializadas no município de Santos –

SP. Revista Ceciliana, v. 2, n. 1, p. 4-6, Jun.

ZAGO, B. W.; CARVALHO, I. F.;

CARVALHO, M. L. S. Qualidade

bacteriológica de água mineral

comercializada em tangará da Serra-MT.

Alim. Nutr. Braz. J. Food Nutr., Araraquara, v.24, n.3, p. 311-315, jul./set.

ZAN, R. A.; VIEIRA, F. G.; BAVARESCO

M. F.; MENEGUETTI, D. U. O. Avaliação da

qualidade de águas minerais comercializadas

nas cidades do vale do Jamari, Amazônia

ocidental, Rondônia – Brasil. Rev. Saúde

Públ. Santa Cat., Florianópolis, v. 6, n. 4, p.

-26, out./dez. 2013.

Downloads

Publicado

2016-04-30

Como Citar

CARVALHO, F. A. de .; FIGUEIREDO, A. de C. .; OLIVEIRA , C. A. de . QUALIDADE DA ÁGUA MINERAL COMERCIALIZADAS EM VÁRIOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 32–40, 2016. DOI: 10.31416/rsdv.v4i1.160. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/160. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Ciências Exatas e da Terra - Artigos