Estratégias de educação ambiental para o alcance da sustentabilidade em ambiente corporativo

Autores

  • Alessandro Menezes de Brito Universidade do Estado da Bahia
  • Ricardo José Rocha Amorim Universidade do Estado da Bahia
  • Dinani Gomes Amorim Universidade do Estado da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v11i3.451

Palavras-chave:

Práticas Sustentáveis, Resíduos, Revisão Sistemática, Meio Ambiente

Resumo

No decorrer das últimas décadas o ser humano vem evoluindo tecnologicamente, mas, em contrapartida, também vem exibindo um padrão de consumo predatório no desdobramento do seu cotidiano, resultando em impactos negativos e diretamente aos recursos naturais. O objetivo deste artigo é abordar de forma concisa as estratégias adotadas por algumas empresas na prática da educação ambiental, como forma de levar os funcionários a buscar soluções para as problemáticas que se deparam no dia a dia. O método utilizado foi à revisão sistemática da literatura nas línguas portuguesa e inglesa, utilizando-se de quatro bases de dados: Scielo, Scopus, Web of Science e Google Acadêmico. A partir, das pesquisas foram selecionados 18 artigos principais para o amparo literário após os critérios de inclusão e exclusão, e posteriormente, as suas análises. Analisaram-se artigos e trabalhos com relevância científica com até 15 anos de publicação, e observou-se que para promover efetivamente programas ambientais nas empresas, independente das áreas delas ou dos espaços na qual elas interagem, sejam estes, urbanos e/ou rurais, é necessário promover o desenvolvimento e compartilhamento de conhecimento sobre a temática, bem como, boas atitudes para melhorar a qualidade do meio ambiente, consequentemente, as estratégias de educação ambiental podem ser alcançadas com êxito.

Biografia do Autor

Alessandro Menezes de Brito, Universidade do Estado da Bahia

Doutorando em Ecologia Humana pela UNEB, Mestre em Políticas de Desenvolvimento do Semiárido pela UNIVASF. Possui graduação em ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS pela Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (1997). Atualmente é funcionário público concursado da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração de Recursos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: administração, qualidade de vida, motivação, formação de talentos e vendas.

Ricardo José Rocha Amorim, Universidade do Estado da Bahia

Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Pernambuco (1989), com mestrado em Engenharia de Produção, linha Mídia e Conhecimento, pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002) e doutorado em Electrónica y Computación pela Universidad de Santiago de Compostela (2007) - revalidado como Ciência da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco (registrado, processo nº 009949/2009-SRD). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Estado da Bahia e professor titular da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina. Atua na área de Ciência da Computação com ênfase em Inteligência Artificial, Representação de Conhecimento e Engenharia de Software. Também, atua na área de Informática na Educação, com ênfase em Ontologia Educacional, Padrões de Metadados Educacionais, Objetos de Aprendizagem, Learning Design e Analíticos de Aprendizagem. Orienta trabalhos de mestrado, especialização, iniciação científica e de conclusão de curso na área de Computação e Informática na Educação. Participa de corpo editorial e como revisor de periódicos e conferências internacionais. 

Dinani Gomes Amorim, Universidade do Estado da Bahia

raduação em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Pernambuco (1988), Especialização em Ciência da Computaçao. pela Universidade Federal de Pernambuco (1993) e doutorado em Electrónica y Computación pela Universidad de Santiago de Compostela (2007) - reconhecido como Ciências da Computação e Matemática Computacional pela Universidade de São Paulo (USP) (registrado, processo nº 2009.1.19269.1.3) e Pós-doutorado em Computação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)(2013), Atualmente é professora adjunto da Universidade do Estado da Bahia e professora Titular da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina. Professora do Corpo permanente do Programa de Pós-graduação do Mestrado em Educação, Cultura e Territórios Semiáridos (UNEB/DCH) e do Programa de Pós-graduação do Mestrado em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental (UNEB/DTCS) .Tem experiência na área de Inteligência Artificial com ênfase em Redes Neurais Artificiais, representação de conhecimento e web Semântica na Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Aprendizado de Máquina, Reconhecimento de Padrões, Padrões de Metadados Educacionais, Learning Objects e IMS Learning Design. Participa de corpo editorial e revisora de periódicos internacionais/nacionais e de conferências da área. Avaliadora do Ministério da Educação e Cultura (MEC) desde 2008.

Referências

ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 14001 – Sistema de gestão ambiental: especificação e diretrizes para uso. Rio de Janeiro: ABNT. 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6024: numeração progressiva das seções de um documento escrito: apresentação. Rio de Janeiro: ABNT. 2012.

AMARAL, J. J. F. Como fazer uma pesquisa bibliográfica. Fortaleza, CE: Universidade Federal do Ceará. 2007. Disponível em: http://200.17.137.109:8081/xiscanoe/courses1/mentoring/tutoring/Como%20fazer%20pesquisa%20bibliografica.pdf. Acesso em: 20 set. 2022.

BÁNKUTI, Sandra Mara Schiavi; BÁNKUTI, Ferenc Istvan. Gestão ambiental e estratégia empresarial: um estudo em uma empresa de cosméticos no Brasil. Gestão & Produção, v. 21, n. 1, p. 171–184. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/gp/a/Yxw3nmZqQk4vkvdxBbwtbYr/?lang=pt. Acesso em: 1 dez. 2022.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo: Saraiva. 2007.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

BATISTA, I. M; ELIAS, M. E; CAVALCANTE, A. Horta Escolar Agroecológica: um instrumento para educação ambiental e mudança de hábitos alimentares. Anais... do II Seminário Internacional. Questões Socioambientais Sustentabilidade na Amazônia, p. 4-10. 2015.

BECKER, R. A.; HÜLLER, C. R.; SILVA, B. A. Abordagem da Educação Ambiental na Escola Municipal Carlos Lacerda. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Medianeira. 2011.

BOFF, L. (2012). Sustentabilidade: o que é – o que não é. Petrópolis: Vozes.

CASALE, V. C. A Educação Ambiental como Elemento Estratégico Para a Incorporação Da Sustentabilidade Empresarial – Caso: Itaipu Binacional – Margem Esquerda/Brasil. Dissertação de Mestrado. PPCA-UNIOESTE-PR, 120 (11), p. 259. 2015.

CHAVES, M. P. S. R. Ações Integradas de Pesquisa Ação e Extensão Tecnológica para Inclusão Social no Meio Urbano e em Comunidades Ribeirinhas no Estado do Amazonas. Relatório Semestral PCTIS, Grupo Inter-Ação, p. 86-124. 2015.

CHECHIN, A. A natureza como limite da economia. A contribuição de Nicholas Georgescu-Roegen. São Paulo: Senac; Edusp. 2010.

CORAL, E. et al. Sustentabilidade Corporativa e os Modelos de Planejamento Estratégico: Uma Equação Não Resolvida. n. October, 2014.

ESCRIG-OLMEDO, E., FERNÁNDEZ-IZQUIERDO, M. Á., FERRERO-FERRERO, I., RIVERA-LIRIO, J. M., & MUÑOZ- TORRES, M. J. Rating the raters: evaluating how ESG rating agencies integrate sustainability principles. Sustainability, 11(3), 1-16. 2019.

GODOY, A. A menor das ecologias. São Paulo: Edusp. 2008.

GOMES JUNIOR, Jonas da Silva. ONGs transnacionais e os sentidos de sustentabilidade amazônica: imaginário, discurso e poder. 2017. 235 f. Tese (Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus. 2017. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br/handle/tede/5689. Acesso em: 29 nov. 2022.

IAMANDI, I. E., CONSTANTIN, L. G., MUNTEANU, S. M., & CERNAT-GRUICI, B. Mapping the ESG behavior of European companies: a holistic Kohonen approach. Sustainability, 11(12), p. 3276. 2019. doi:10.3390/su11123276.

IAQUINTO, B. O. A Sustentabilidade Esuas Dimensões. Revista Da Esmesc, v.25, n.31, p. 157-178. 2018. Disponível em: https://www.revista.esmesc.org.br/re/article/viewFile/187/161. Acesso em: 1 dez. 2022.

NOGUTI, M. B.; CAMPOS, S. V. B.; RODRIGUES, T. M.; PULLING, T.; DIAS, J. Sistema de Gestão Ambiental: Natura Cosméticos S/A. In: IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão – Responsabilidade Sócio-ambiental das Organizações Brasileiras. Niterói. 2008. Disponível em: http://www.latec.uff.br/cneg/documentos/anais_cneg4/T7_0038_0037.pdf. Acesso em: 20 ago. 2014.

NIDUMOLU, R., PRAHALAD, C. K., & RANGASWAMI, M. R. Why sustainability is now the key driver of innovation. Harvard business review, 87(9), p. 56-64. 2009.

OTERO, P. B. G.; NEIMAN, Z. Avanços e desafios da educação ambiental brasileira entre a Rio92 e a Rio+ 20. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), 10 (1), p. 20-41. 2015.

PIVA, Vanessa Gioveli. Ações de educação ambiental em uma escola pública: conhecer para preservar. 2018. TCC (Graduação) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/11141. Acesso em: 29 nov. 2022.

QUEIROZ, Adriana Renata Sathler de; MOTTA-VEIGA, Marcelo. Análise dos impactos sociais e à saúde de grandes empreendimentos hidrelétricos: lições para uma gestão energética sustentável. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 6, p. 1387-1398, 2012.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Dossiê Sustentabilidade. Estud. 26 (74). 2012.

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Desenvolvimento sustentável: uma perspectiva econômico-ecológica. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 65–92, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/F9XDcdCSWRS9Xr7SpknNJPv. Acesso em: 30 nov. 2022.

ROOS, A. Educação Ambiental e Sustentabilidade. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 5 (5), p. 857–866. 2012.

SCHOMMER, P.C. Responsabilidade Socioambiental. Brasília. 191p. 2008.

TAVARES, A. da C.; ANTUNES, P. A.; DA SILVA, R. de F. P.; CALLUANS, T. M.; VANIN, A. B. A química verde e a interação social como ferramentas de ensino - aprendizagem da química. Anuário Pesquisa e Extensão Unoesc Joaçaba, [S. l.], v. 1, p. e12804, 2016. Disponível em: https://periodicos.unoesc.edu.br/apeuj/article/view/12804 Acesso em: 29 nov. 2022.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

BRITO, A. M. de; AMORIM, R. J. R.; AMORIM, D. G. Estratégias de educação ambiental para o alcance da sustentabilidade em ambiente corporativo. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 11, n. 3, p. 649–662, 2023. DOI: 10.31416/rsdv.v11i3.451. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/451. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Multidisciplinar - Artigos