Emergência de sementes de girassol (Helianthus annuus) sob estresse salino irrigado por bombeamento fotovoltaico

Autores

  • Rita de Cássia Barbosa da Silva IFSertãoPE
  • Geanderson Silva Santana IFSertãoPE
  • Raiomara Lopes Leite IFSertãoPE
  • Manuel Rangel Borges Neto IFSertãoPE
  • Francisco Jônatas Siqueira Coelho IFSertãoPE
  • Giovanne de Souza Monteiro IFSertãoPE

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v5i2.129

Palavras-chave:

crescimento inicial, estresse abiótico, salinidade, energia solar

Resumo

O girassol é uma oleaginosa moderadamente tolerante à salinidade, mas ainda sofre redução progressiva do crescimento, com o aumento da concentração de sais. No trabalho objetivou-se avaliar a emergência de sementes de girassol quando submetidas a diferentes concentrações de NaCl. O trabalho foi desenvolvido no IF-Sertão, Campus Petrolina utilizando-se sementes de girassol semeadas em bandejas de polietileno, com substrato comercial, irrigando-as com as soluções salinas de 0, 4, 8 e 12 dS.m-1 de condutividade elétrica (C.E.), de acordo com a capacidade de campo. Foram utilizadas 4 repetições de 25 sementes, para cada C.E. As variáveis analisadas foram %E, TME, VME, IVE, CPA e do CSSR, MFPA, MFSSR e MSPA, MSSR. As mudas foram transplantadas para canteiros e irrigadas por bombeamento fotovoltaico. A solução salina afetou a emergência das sementes, principalmente a partir de 8 dS.m-1. O crescimento inicial foi afetado à medida que se aumentou a salinidade. A quantidade de fotoassimilados foi maior para as mudas que não receberam água salina. O sistema fotovoltaico mostrou-se eficiente para ativar a motobomba.

Referências

AGUIAR, R.S. et al. Avaliação de linhagens promissoras de feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) tolerantes ao déficit hídrico. Semina: Ciências Agrárias. 29: 1-14, 2008.

BEZERRA, L.L. Caracterização dos níveis de resistência à salinidade em cultivares de girassol (Helianthus annuus L.). 2011. 64p. Dissertação (Mestrado em Agronomia/Fitotecnia) - Universidade Federal Rural do Semiárido, Mossoró-RN, 2011.

BORGES NETO, M.R.; CARVALHO, P.C.M.D. Geração de energia elétrica: fundamentos. São Paulo, Érica, 2012. 240p.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ ACS, 2009, 399p.

CAMPOS, I.S.; ASSUNÇÃO, M.V. Efeito do cloreto de sódio na germinação e vigor de plântulas e arroz. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 25: 837-843, 1990.

CARVALHO N.M.; NAKAGAWA J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal, FUNEP, 2000. 588p.

CAVASIN JÚNIOR, C.P.A cultura do girassol. Guaíba, Agropecuária, 2001. 69p.

FLOWERS, T.J. Improving crop salt tolerance. Journal of Experimental Botany, 55: 307-319, 2004.

KHAN, M.H.; PANDA, S.K. Alterations in root lipid peroxidation and antioxidative responses in two rice cultivars under NaCl-salinity stress. Acta Physiologiae Plantarum, 30: 89-91, 2008.

KOTOWISKI, F. Temperature relations to germination of vegetable seeds. Proceedings of the American Society of Horticultural Science, Alexandria, 23: 176-184, 1926.

LABORIAU L.G. A germinação das sementes. Secretaria Geral da OEA, Série Biologia, Monografia 24, 1983. 170p.

LARCHER, W. Ecofisiologia vegetal. Trad. C.H.B.A. Prado. São Carlos, Rima, 2000. 531p

LEONARDO, M. et al. Produção de frutos de pimentão em diferentes condições salinas. Revista Irriga, 12: 73-82, 2007.

NORDESTE RURAL. Girassol, uma cultura possível no nordeste. Disponível em: <http://www.nordesterural.com.br/nordesterural>. Acesso em: 16 Jun. 2015.

MAGUIRE, J.D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlings emergence and vigor. Crop Science, 2: 176-177, 1962.

NUNES, A.S., et al. Fontes e níveis de salinidade na germinação de sementes de Crotalaria juncea L. Ciência e Agrotecnologia, 33: 753-757, 2009.

POPINIGIS, F. Fisiologia de sementes. Informe Agropecuário, 27: 7-15, 2006.

RICHARDS, L.A. Suelos salinos y sodicos. Instituto nacional de investigaciones agrícolas. México, 1980. 171p.

SANGOI, L. et al. Efeito de doses de cloreto de potássio sobre a germinação e o crescimento inicial do milho, em solos com texturas contrastantes. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, 8: 187-197, 2009.

SILVA, F.A.S. ASSISTAT: Versão 7.7 beta. DEAG-CTRN-UFCG –Atualizado em 01 de abril de 2014. Disponível em:<http://www.assistat.com>.Acesso em: 28 de Jul. 2016.

UNGAR, I.A. Germination ecology of halophytes. Tasks for vegetation science. Junk Publishers, 2: 143-154, 1982.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

SILVA , R. de C. B. da .; SANTANA , G. S. .; LEITE , R. L. .; NETO, M. R. B. .; COELHO , F. J. S. .; MONTEIRO , G. de S. Emergência de sementes de girassol (Helianthus annuus) sob estresse salino irrigado por bombeamento fotovoltaico. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 80–87, 2017. DOI: 10.31416/rsdv.v5i2.129. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/129. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Ciências Agrárias - Artigos