Metodologias Inovadoras para o Ensino de Química Orgânica e a sua Relação com o Meio Ambiente

Autores

  • Edilane Almeida da Silva IFSertãoPE
  • Inaiara de Sousa Escola Estadual João Batista dos Santos
  • Debora Santos Carvalho dos Anjos IFSertãoPE

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v8i3.39

Palavras-chave:

Ludicidade, aprendizagem, química, meio ambiente, motivação, Metodologias Inovadoras

Resumo

Na sociedade atual, em que há o desenvolvimento acelerado das tecnologias, as escolas e os professores precisam pensar em um método de ensino inovador, que busque despertar o interesse do aluno em estudar, motivando-o a querer aprender. Desta forma, entendendo a importância de instigar a busca do conhecimento, utilizaram-se, neste projeto, metodologias diferenciadas, com foco na ludicidade, tais como jogos didáticos, elaboração de mapa mental, produção de paródia, dramatização, oficinas com experimentações, visitas técnicas, entre outras. O conteúdo em estudo foi a Química Orgânica, contextualizando os tópicos principais com o cotidiano do aluno, além da relação da Química Orgânica com o meio ambiente, visando a contribuir significativamente para a aquisição dos saberes. Neste sentido, visou-se, ainda, a estimular o estudo na disciplina de Química Orgânica, bem como conscientizar, de forma lúdica, sobre a importância da preservação ambiental. Foram realizadas 4 (quatro) etapas, de acordo com os temas: (1) Classificação de cadeias carbônicas, (2) Hidrocarbonetos, (3) Compostos oxigenados e (4) Compostos nitrogenados. Aplicaram-se pré-testes e pós-testes, em cada etapa, visando a verificar a evolução da construção do conhecimento. Os alunos demonstraram bastante entusiasmo e participaram ativamente. O trabalho em grupo permitiu uma maior interação professor-aluno e aluno-aluno, bem como uma alta percentagem de acertos foram observadas nos pós-testes realizados, variando de 71 a 90%. Foi possibilitada a construção de pensamentos críticos sobre a sociedade e os seus comportamentos, oportunizando-os se posicionarem em relação às atitudes incorretas, formando, assim, um cidadão capaz de defender e de contribuir com o ambiente natural, visando e priorizando a preservação do meio em que vive.

Biografia do Autor

Debora Santos Carvalho dos Anjos , IFSertãoPE

Possui graduação em Licenciatura em Química pela Universidade Federal de Sergipe (2003), Especialização em Ensino de Química e Biologia Ead-UNIVASF(2016), Mestrado em Química Inorgânica pela Universidade Federal de Pernambuco (2006) e Doutorado em Química Inorgânica pela Universidade Federal de Pernambuco (2011). Atualmente é Professora/Pesquisadora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, atuando na Licenciatura em Química. É Líder do Grupo de Pesquisa Materiais Aplicados e o Vale do São Francisco, atuando na área de Química, com ênfase em Polímeros, Físico Química e Química Inorgânica. É membro Titular do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEP) do IF Sertão-PE.Atuou como Coordenadora do Programa de Consolidação das Licenciaturas - Prodocência/CAPES, como Coordenadora de Área do Programa de Iniciação a Docência/CAPES (2012-2014) e como Coordenadora Institucional deste mesmo programa (2014-2016).

Referências

BENEDETTI FILHO, E.; CAVAGIS, A. D. M.; BENEDETTI, L. P. S. Um Jogo Didático para Revisão de Conceitos Químicos e Normas de Segurança em Laboratórios de Química. Química Nova na Escola. São Paulo-SP, BR. v. 42, n. 1, p. 37-44, fevereiro,2020.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC; SEF, p. 27, 1998.

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Consumo Sustentável: Manual de educação. Brasília: Consumers International/ MMA/ MEC/IDEC, 2005.Disponívelem: portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao8.pdf. Acessado em: 04 de janeiro de 2021.

CANESIN, F.P.; SILVA, O.C.V.; LATINI,R.M. O olhar de um licenciando para o ensino de química e a educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências da Saúde e do Ambiente, v.3, n. 2, p.50-60, 2010.

CAVALCANTE, M. P.; NASSER, M. J. S.; OLIVEIRA, J. C. P. de; OLIVEIRA. A. L. de. O Jogo Educativo Como Recurso Interdisciplinar No Ensino De Química. Química Nova na Escola. São Paulo-SP, BR. v. 40, n. 2, p. 89-96, maio,2018.

FERNANDES, Alícia; A Inteligência Aprisionada: abordagem psicopedagógica clínica da criança e sua família. Porto Alegre: Artmed, p.37-44, 1991.

FRIEDMAN, Adriana. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, p. 1-128, 2001.

GUIMARAES, S. E. R. e BORUCHOVITCH, E. O estilo motivacional do professor e a motivação Intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Psicologia Reflexão e Crítica, v. 17, n. 2, p. 143-150, 2004.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. ed. 14, p. 13-43, São Paulo: Editora Cortez, 2011.

KOUDELA, Ingrid D. A nova proposta de ensino do teatro. p. 233-239, 2011. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/salapreta/article/download/57096/60084. Acessado em 10 de Janeiro de2021.

LEITE, L. M. e ROTTA, J. C. G. Digerindo a química biologicamente: a ressignificação de conteúdos a partir de um jogo. Química Nova na Escola, v. 38, n. 1, p. 12-19, 2016.

LIMA, M. F. de C. Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica no ensino de Física. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro –RJ, 2011.

LOPES, A.C. Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e a submissão ao mundo produtivo: o caso do conceito de contextualização. Educação e Sociedade, Campinas. v. 23, n. 80, p. 386-400, set. 2002.

LOPES, Thelma. Luz, arte, ciência...ação! História, Ciências, Saúde-Manguinhos,v. 12, p. 400-18, 2005.

MESSEDER NETO, H. S.; DE MORADILLO, E. F. O lúdico no Ensino de Química: Considerações a partir da Psicologia Histórico-Cultural. Química Nova na Escola, v. 38, n.4, p. 360-368, nov. 2016.

MESSEDER NETO; H. S. DE MORADILLO, E. F. O jogo no ensino de química e a interação entre os pares: revisitando o conceito de zona de desenvolvimento iminente (ZDI). Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias,v. 17, n. 3, p. 664-685, 2018.

MÓL. G. S.; SANTOS, W. L. P. Química Cidadã, v. 3, 2 ed. São Paulo: AJS, 2013.

MORÁN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção mídias contemporâneas. Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens, v. 2, n. 1, p. 15-33, 2015.

OLIVEIRA, R. J. O ensino das ciências e a ética na escola: interfaces possíveis. Química Nova na Escola, v. 32, n. 4, p. 227-232, 2010.

PINTO, L. T. O Uso dos Jogos didáticos no Ensino de Ciências no Primeiro Segmento do Ensino Fundamental da rede Municipal Pública de Duque de Caxias. Dissertação - Instituto Federal de Educação, ciências e Tecnologia. Neópolis -RJ, 2009.

RUA, Emílio R.; SOUZA, Paulo Sérgio Alves de; Educação Ambiental em uma Abordagem Interdisciplinar e Contextualizada por meio das Disciplinas de Química e Estudos Regionais. Química Nova na Escola.v.32, n. 2, p. 95-100, maio 2010.

SANTA MARIA, L.C.; AMORIM, M. C.V.; AGUIAR, M.R.M.P.; SANTOS, Z.A.M.; CASTRO, P.S.C. B.G.; BALTHAZAR, R.G. Petróleo: um tema para o ensino de química. Química Nova na Escola,n. 15, p. 19-23, 2002.

SANTOS, Maria Vanessa Sardinha dos. Poluição por derramamento de Petróleo. Disponível em: https://www.google.com/amp/s/m.brasilescola.uol.com.br/amp/geografia/poluicao-por-derramamento-petroleo.htm. Acessado em: 07 abril de2019.

SOARES, M. H.F. B. Jogos e atividades lúdicas no ensino de química: uma discussão teórica necessária para novos avanços. Revista debates em ensino de química, v. 2, n. 2, p. 5-13, 2016.

VAITSMAN, E. P. VAITSMAN, D. S. Química e meio ambiente: ensino contextualizado. Rio de Janeiro: Interciência, 2006.

Downloads

Publicado

2021-05-01

Como Citar

SILVA, E. A. da .; SOUSA, I. de .; ANJOS , D. S. C. dos . Metodologias Inovadoras para o Ensino de Química Orgânica e a sua Relação com o Meio Ambiente. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 550–567, 2021. DOI: 10.31416/rsdv.v8i3.39. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/39. Acesso em: 3 dez. 2021.