A comunicação entre ouvintes e pessoas surdas através da LIBRAS nos espaços públicos

Autores

  • Tony Alef de Souza Vasconcelos IFSertãoPE
  • Maria Patrícia Lourenço Barros IFSertãoPE
  • Aline Cássia Silva Araújo IFSertãoPE
  • Antônia Aparecida Barros Alencar Correia IFSertãoPE

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v4i2.154

Palavras-chave:

Língua, Barreiras, Aprendizagem

Resumo

O presente artigo tem por finalidade mostrar os resultados da pesquisa interventiva: A comunicação entre ouvintes e pessoas surdas através da Libras nos espaços públicos. Portanto, os resultados e a experiência vivenciada após o diagnóstico mostrarão que os servidores e familiares do IF Sertão - Campus Salgueiro encontravam muitas dificuldades para se comunicarem com os surdos e, muitas vezes, só acontecia a comunicação com a presença dos intérpretes. Mais complexo ainda era no meio familiar, que, frequentemente, não existia a comunicação. A pesquisa, além de elencar as dificuldades, realizou uma intervenção com a realização de três cursos de Libras, em que apresentava como objetivo principal romper com as barreiras da comunicação. Com esse alvo o projeto foi desenvolvido. E, para isso, utilizou-se da metodologia de pesquisa, na qual os sinais foram pesquisados e organizados em apostilas e aulas práticas de Libras para a montagem do curso. Curso que buscou os resultados da comunicação através da Língua Brasileira de Sinais. Comunicação fundamental com os surdos para que tornasse efetivamente a interação e rompesse as barreiras da comunicação em busca de difundir a Libras.

Biografia do Autor

Maria Patrícia Lourenço Barros, IFSertãoPE

Mestranda em Educação na UFBA e especialista pela Faculdade Educacional da Lapa- FAEL em Libras,professora efetiva do IF Sertão das disciplinas de Libras e Educação Inclusiva.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de

Educação Especial. Lei No. 10.436, de 24 de

abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira

de Sinais – LIBRAS e dá outras providências.

______. Ministério da Educação. Secretaria de

Educação Especial. Decreto No 5.626, de 22 de

dezembro de 2005. Regulamenta a Lei No

436, de 24 de abril de 2002.

CARVALHO, R. E. Escola inclusiva: a

reorganização do trabalho pedagógico. Porto

Alegre: Mediação, 2008.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D.

Dicionário Trilíngue da Língua de Sinais

Brasileira. São Paulo: UNESP, 2008.

LODI, A. C. B.; LACERDA, C. B. F. (org.).

Uma escola, duas línguas: letramento em

língua portuguesa e língua de sinais nas

etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre:

Mediação,2014.

LONGMAN, L. V. Memórias de Surdos.

Recife: Massangana, 2007.

SOARES, M. A. L. A educação do surdo no

Brasil. Campinas, SP: Autores Associados,

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

VASCONCELOS, T. A. de S. .; BARROS, M. P. L. .; ARAÚJO, A. C. S. .; CORREIA, A. A. B. A. A comunicação entre ouvintes e pessoas surdas através da LIBRAS nos espaços públicos. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 70–76, 2016. DOI: 10.31416/rsdv.v4i2.154. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/154. Acesso em: 3 out. 2022.

Edição

Seção

Lingüística, Letras e Artes - Artigos