Convivência com o Semiárido: a ameaça da escassez da palma forrageira (Opuntia fícus-indica) frente aos processos produtivos de camponeses do Cariri Paraibano

Autores

  • Luana Patricia Costa Silva UFPB
  • Alexandre Eduardo de Araújo UFPB
  • Daniel Duarte Pereira UFPB
  • Albertina Maria Ribeiro Brito de Araújo UFPB

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v5i2.132

Palavras-chave:

Suporte forrageiro, processos sustentáveis, atividade econômica

Resumo

As estiagens vem assolando os camponeses semiaridianos, no cariri paraibano isso acontece com maior ênfase por uma maior deficiência hídrica, caraterística da região. A pecuária, principal atividade da região, possui como base forrageira a palma, cactácea que se adaptou muito bem a nossa realidade hídrica. Desta forma o principal objetivo desse trabalho é de analisar os aspectos ligados aos fatores e processos produtivos de tal forrageira e como sua escassez está sendo sentida pelos camponeses. Consideramos esta pesquisa de cunho qualitativo, à medida que nos utilizamos de ferramentas como a pesquisa participativa e as entrevistas semiestruturadas. Identificamos que a palma aparece realmente como forrageira de base para os camponeses e vem causando decadência na produção, afetando principalmente a base econômica das famílias, ainda, destacamos a rentabilidade de quem tem a palma nos períodos de estiagem. Consideramos que se faz necessário estratégias sustentáveis que subsidie a preparação para os longos períodos de estiagem, pincipalmente na preservação das bases alimentares dos rebanhos, que se configura no cariri como principal atividade econômica.

Referências

BARBERA, G. História e importância econômica e agroecológica. In: FAO. Agroecologia, cultivo e usos da Palma Forrageira. Versão em língua Inglesa, 1995, SEBRAE/PB, 2001, versão em língua Portuguesa. p: 1-9.

CARVALHO, R. A.; LOPES, E. B.; SILVA, A. C.; LEANDRO, R. S.; CAMPOS, V. B. Controle alternativo da cochonilha-do-carmim em palma forrageira no cariri paraibano. 2012. Disponível em:http://www2.mma.gov.br/sitio/Acesso em:12 de agosto de 2013.

DOMINGUES, O. Origem e Introdução da Palma Forrageira no Nordeste. Recife. Instituto Nabuco de Pesquisas Sociais, 1963. 75p.

DUQUE, J. G. O Nordeste e as lavouras xerófilas. 2 ed. Mossoró: Escola Superior de Agricultura de Mossoró / Fundação Guimarães Duque (Coleção Mossoroense, v. CXLIII), 1973. 316p.

DUQUE, J. G. Solo e água no polígono das secas. 5 ed. Mossoró: Escola Superior de Agricultura de Mossoró / Fundação Guimarães Duque (Coleção Mossoroense, v. CXLII), 1980.273p.

GÜNTHER, H. Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta É a Questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 22 n. 2, p: 201-210, 2006.

HOFFMANN, W. Etnobotânica. In: Agroecologia, cultivo e usos da palma forrageira. Traduzido por SEBRAE/PB. João Pessoa: SEBRAE/PB, 2001. p.12-19.

KUMMER, L. Metodologia Participativa no meio rural: uma visão interdisciplinar conceitos, ferramentas e vivências. Salvador, GTZ -Agência Alemã de Cooperação Técnica, 2007. 155p.

LOPES, E. B.; BATISTA, J. de L.; BRITO, C. H. de; SANTOS, D. C. dos. Pragas da palma forrageira. In: LOPES, E. B. Palma Forrageira: cultivo, uso atual e perspectivas de utilização no Semiárido nordestino. 1 ed. João Pessoa: EMEPA-PB, 2012. p: 61-78.

OLIVEIRA, A. S. C.; CAVALCANTE FILHO, F. N.; RANGEL, A. H. do N.;LOPES, K. B. de P.A palma forrageira: alternativa para o Semi-árido. Revista Verde, Mossoró, v.6, n.3, p: 49 –58, 2011.

OLIVEIRA, F. T. de; SOUTO, J. S.; SILVA, R. P. da; ANDRADE FILHO, F. C. de; PEREIRA JÚNIOR, E. B. Palma forrageira: adaptação e importância para os ecossistemas áridos e semiáridos. Revista Verde, Mossoró, v.5, n.4, p: 27-37, 2010.

PEREIRA, D. D. Cariris paraibanos: do sesmarialismo aos assentamentos de reforma agrária. Raízes da desertificação?2008. (Tese de Doutorado) -Universidade Federal de Campina Grande -UFCG, Campina Grande –PB, 341p.

SANTOS, D. C. dos; ARAÚJO, L. de F.; LOPES, E. B.; VASCONCELOS, M. F. de. Usos e aplicações da palma forrageira. In: LOPES, E. B. Palma Forrageira: cultivo, uso atual e perspectivas de utilização no Semiárido nordestino. 1 ed. João Pessoa: EMEPA-PB, 2012. p: 99-150.

SANTOS, D. C. dos; FARIAS, I.; LIRA, M. de A.; SANTOS, M. V. F. dos; ARRUDA, G. P. de; COELHO, R. S. B.; DIAS, F. M.; MELO, J. N. de. Manejo e utilização da palma forrageira (Opuntia e Nopalea) em Pernambuco. Recife: Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária -IPA, 2006. 48p.

SANTOS, M. V. F.; FERREIRA, M. A.; BATISTA, A. M. V. Valor nutritivo e utilização da palma forrageira na alimentação de ruminantes. In: MENEZES, R. S. C.;SIMÕES, D. A.; SAMPAIO, E. V. S. B. A palma no Nordeste do Brasil: conhecimento atual e novas perspectivas de uso. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005, p: 143-162.

SILVA, R. M. A. da. Entre o Combate à Seca e a Convivência com o Semi-Árido: políticas públicas e transição paradigmática. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 38, n. 3, p: 466-485, 2007.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

SILVA , L. P. C. .; ARAÚJO , A. E. de; PEREIRA , D. D.; ARAÚJO , A. M. R. B. de. Convivência com o Semiárido: a ameaça da escassez da palma forrageira (Opuntia fícus-indica) frente aos processos produtivos de camponeses do Cariri Paraibano. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 104–113, 2017. DOI: 10.31416/rsdv.v5i2.132. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/132. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Multidisciplinar - Artigos