O(s) TINTURA EXTRAÍDA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE VINHOS NO MANEJO DE Plasmopara vitícola EM VIDEIRA cv. ITÁLIA

Dye extracted from the waste of wine production in the management of Plasmopara viticola in vine cv. Itália

Autores

  • Amon de Macedo Universidade Federal da Paraíba https://orcid.org/0000-0003-0664-5937
  • Vilma Aparecida Gomes Andrade Discente Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola da Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Erbs Cintra de Souza Gomes Docente do Instituto Federal do Sertão Pernambucano
  • Milton César Costa Campos Docente da Universidade Federal da Paraíba
  • Italla Mikelly Barbosa Discente do Instituto Federal do Sertão Pernambucano

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v11i2.469

Palavras-chave:

Extração a frio, manejo sustentável de doenças, míldio, tintura.

Resumo

O míldio, doença causada pelo agente etiológico Plasmopara viticola, as condições ideais para o seu estabelecimento na área são: umidade relativa do ar alta acima de 70% e temperaturas próximas a 20ºC. Neste sentido, buscando o desenvolvimento de tecnologias alternativas ao controle químico de doenças fúngicas da videira, objetivou-se com o presente estudo avaliar o potencial da tintura extraída do resíduo da produção de vinhos brancos no manejo de Plasmopara vitícola em videira cv. Itália. O experimento foi realizado no período de janeiro a março de 2021, na área experimental de videiras cv. Itália do Campus Petrolina Zona Rural no IF Sertão-PE. Após a coleta, os resíduos foram secos, triturados e colocados para extração a frio. O delineamento experimental utilizado foi em blocos ao acaso composto por sete tratamentos: concentrações de tinturas a 1%; 5%; 10%; 25%; 50%, testemunha absoluta e testemunha positiva (fungicida) em três repetições. As pulverizações foram realizadas semanalmente e as avaliações na semente seguinte a pulverização. Os dados coletados foram submetidos a análise de variância e as medias comparadas pelo teste de Scott-Knott até 5% de probabilidade. Ao final do experimento, observou-se que os melhores tratamentos com impacto direto na redução da curva de progresso da doença foram: fungicida comercial e tintura a 50%, demonstrando o potencial do uso da tintura extraída do resíduo da vinificação como potencial de integração às práticas de manejo do míldio da videira no Vale do São Francisco.

Referências

AMORIN, L.; HUNIYKI, H. Doenças da videira. In Manual de Fitopatologia, V 2, Ceres. São Paulo, SP, 1997.

BARBOSA, M. A. G et al. Cultivo da videira. Sistemas de Produção, 1 – 2a. edição. Embrapa Semiárido, 2010. Disponível em: <http://www.cpatsa.embrapa.br:8080/sistema_producao/spuva/doencas.html>. Acesso em: 10 dez. 2020.

BOTELHO, R.V.; MAIA, A.J.; PIRES, E.J.P.; TERRA, M.M. Efeito do extrato de alho na quebra de dormência de gemas de videiras e no controle in vitro do agente causal da antracnose (Elsinoe ampelina Shear). Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.31, n.1, p.096-102, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-29452009000100015. Acesso em: 09 de mar. 2021.

BRASIL. Produção Integrada de Frutas. Disponível em: <http://www.cpatsa.embrapa.br:8080/pif/uva/normas.htm>. Acesso em: 15 dez 2020.

CARPINELLA, M.C.; HERRERO, G.W.; ALONSO, R.A.; PALACIOS, S.M. Antifungal activity of Melia azedarach fruit extracts. Fitoterapia, v.70, n.3, p.296-298, 1999.

CHAVARRIA, G.; SANTOS, H.P.; SÔNEGO, O.R.; MARODIN, G.A.B.; BERGAMASCHI, H.; CARDOSO, L.S. Incidência de doenças e necessidade de controle em cultivo protegido de videira. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v.29, n.3, p.477-482, 2007.

CONAB. UVA INDUSTRIAL. Brasília, 2017.

COUTINHO, W. M.; ARAÚJO, E.; MAGALHAES, F. H. L.. Efeito de extratos de plantas nacardiáceas e dos fungicidas químicos Benomyl e Captan sobre a micoflora e qualidade fisiológica de sementes de feijão (Phaseolus vulgaris L.). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 23, n. 3, p. 560-568, 1999.

CZERMAINSK, A. B. C.; SÔNEGO, O. R. Influência das condições climáticas sobre a eficácia de fungicidas empregados para o controle do míldio em Vitis vinífera. Ciência Rural, Santa Maria, v.34, n.1, p.5-11, jan-fev, 2004. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cr/v34n1/a02v34n1.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2021.

EMBRAPA. Registro de Observações Meteorológicas; Estação Estação Fruit Fort. 2021. Mensagem recebida por < joabe.almeida@embrapa.br > em 16 dez. 2022

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 35, n. 6, p.1039–1042, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-70542011000600001.

IBGE. Produção Agrícola Municipal. 2022. Disponível em: < https://sidra.ibge.gov.br/tabela/5457>. Acesso em: 15 dez. 2022.

GARRIDO, L. R; GAVA R. Manual de Doenças Fúngicas da Videira. EMBRAPA Uva e Vinho. Bento Gonsalves, RS, 2014.

.

LIMA, M. F. et al. Doenças e Alternativas de Controle. In: A Vitivinicultura no Semiárido Brasileiro. Petrolina, PE; Embrapa Semiárido, 2009, Cap.13, p.542 - 596

RIBEIRO, L.F.; BEDENDO, I.P. Efeito inibitório de extratos vegetais sobre Colletotrichum gloeosporioides - agente causal da podridão de frutos de mamoeiro. Scientia Agricola, v.56, n.4, supl., p.1267-1271, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sa/v56n4s0/a31v564s.pdf. Acesso em: 09 mar. 2021.

SCHIEDECK, G. et al. Método de preparo de tintura de plantas bioativas para fins agrícolas. Comunicado Técnico n. 190. Embrapa Clima Temperado. Pelotas, RS, 2008.

SCHWAN-ESTRADA, K.R.F.; STANGARLIN, J.F. Extratos e óleos essenciais de plantas medicinais na indução de resistência. In: Cavalcanti, L.S., Di Piero, R.M., Cia, P., Pascholati, S.F., Resende, M.L.V. & Romeiro, R.S. (Eds.) Indução de resistência em plantas a patógenos e insetos. Piracicaba SP. FEALQ. 2005. p. 125-138.

SCHWAN-ESTRADA, K. R. F; STANGARLIN J. R.; PASCHOLATI, S. F. Mecanismos bioquímicos de defesa vegetal. In: PASCHOLATI, S. F et al. Interação Planta-Patógeno. Piracicaba, SP: FEALQ, 2008. p. 227-248

TAVARES, S. C. C. H.; LIMA, M F.; MELO, N. F. Principais doenças da videira e alternativas de controle. In: SOARES, J. M; P. C. S. A Viticultura no Semi-árido Brasileiro. Petrolina, PE. Embrapa, 2000. Cap. 12 p 293 – 346. Disponível em: <https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/134246>. Acesso em: 27 fev. 2021.

TEIXEIRA, A. et al. Natural bioactive compounds from winery by-products as health promoters: a review. International journal of molecular sciences, v. 15, n. 9, p. 15638-15678, 2014.

DE LIMA, J. R. F. et al. Menos área cultivada, mais tecnologia na fruticultura de exportação: uva, manga e melão. 2021. Disponivel em: < https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1131621>. Acesso em: 15 dez. 2022.

ANDREASSON, E; LENMAN, M; MOUSHIB, L. Plant extracts comprising at least a phenolic compound, for inducing the natural defense of a plant against a pathogen, such as Phytophthora infestans. U.S. Patent n. 9,681,669, 20 jun. 2017.

HORST, M. V. et al. Subproduto da vitivinicultura no controle do míldio e indução de enzimas de defesa em videira. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento , v. 10, n. 11, pág. e453101119908-e453101119908, 2021

Downloads

Publicado

2023-08-31

Como Citar

DE MACEDO, A.; GOMES ANDRADE, V. A.; CINTRA DE SOUZA GOMES, E.; COSTA CAMPOS, M. C. .; BARBOSA , I. M. O(s) TINTURA EXTRAÍDA DO RESÍDUO DA PRODUÇÃO DE VINHOS NO MANEJO DE Plasmopara vitícola EM VIDEIRA cv. ITÁLIA: Dye extracted from the waste of wine production in the management of Plasmopara viticola in vine cv. Itália. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 243–254, 2023. DOI: 10.31416/rsdv.v11i2.469. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/469. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Ciências Agrárias - Artigos