Percepção dos frequentadores de Área de Preservação Permanente em Petrolina-PE quanto ao meio ambiente e a degradação ambiental

Autores

  • Tayron Juliano Souza UNIVASF
  • Miriam Cleide Cavalcante de Amorim UNIVASF
  • José Antunes da Silva Neto UNIVASF
  • Eucymara França Nunes Santos UNIVASF

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v2i3.180

Palavras-chave:

Orla fluvial, faixa etária, rio São Francisco

Resumo

O presente trabalho visou obter a percepção ambiental e de degradação de freqüentadores da área de proteção permanente (APP), às margens do rio São Francisco, na sede do município de Petrolina, PE. Para coleta de dados foi proposto questionário semi-estrutura que procurou identificar a percepção ambiental e degradação dos freqüentadores da APP. Os resultados obtidos mostram que a população apresenta interesse por assuntos relacionados às questões ambientais, sendo os atores de maior interesse os que compreendem a faixa etária de 18 a 25 anos, enquanto que os entrevistados de 53 a 60 têm menor interesse. Dessa forma, verificam-se a importância do estudo da percepção ambiental e de degradação dos freqüentadores da APP, como subsídios à gestão ambiental da área de preservação permanente urbana.

Referências

ADAMS, B.G. Educação Ambiental. Disponível em:<http://www.apoema.com.br/definicoes.htm>. Acesso em 16 mar. 2010.

AMORIM, M.C.C. Impactos ambientais em áreas de proteção ambiental urbana margem do Rio São Francisco, Petrolina, PE. I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Salvador. 2010.

BEZERRA, F.B.; OLIVEIRA, M.A.C.L.; PEREZ, D.V.; ANDRADE, A.G.; MENEGUILLI, N.D.A.; Lodo de esgoto em revegetação de área degradada. Pesq. agropec. bras. Brasília, v.41, n.3, p.469-476, mar. 2006.

BRASIL. Resolução CONAMA No 303, 20 de março de 2002. Conselho Nacional do Meio Ambiente. CONAMA, Brasília, DF, março de 2002.

BRASIL. Lei no 12.651, de 25 de maio de 2012. Institui o Código Florestal. Brasília, 15 de setembro de 2012.

CRUZ, C.E.B.; LIMA, J.S. BRITO A.V.D.C.B.; Fatores de degradação ambiental nos Agropolos do Ceará. In: XLVI Congresso da sociedade brasileira de economia, administração e sociologia rural, 2008.

DIAS, R. L. F. Intervenções públicas e degradação ambiental no semiárido cearense (O caso de Irauçuba). Dissertação de Mestrado em

Desenvolvimento e Meio Ambiente, PRODEMA. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza. 139 fls, 1998.

FERNANDES, R.S.; SOUZA, V.J.D.; PELISSARI, V.B.; FERNANDES, S.T. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro2/GT/GT10/roosevelt_fernandes.pdf>. Acesso em 15 Nov. 2011.

FORGUS, R.H. Percepção: o processo básico do desenvolvimento cognitivo. ed. E.p.u, 1981.

IBGE, Censo Demográfico de 2010. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, dados referentes ao município de Petrolina-PE. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=261110>. Acesso em set. 2012.

MINGUET, P.A. A construção do conhecimento na educação. Porto Alegre: ArtMed. p.181. 1998. In: KITZMANN, D.; ASMUS,M.L.; Avaliação da percepção ambiental. Um estudo de caso com trabalhadores avulsos do Porto do Rio Grande. Rev. Eletrônica do Mestr. Educ.Ambiental, 1517-1256, p. 56-73, 1998

PALMA, I.R. Análise da percepção ambiental como instrumento ao planejamento da educação ambiental. Dissertação para a obtenção do título de Mestre em Engenharia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 78 fls. 2005.

PEREIRA, F.S. GOMES, J.E. PERES, U.B.; Avaliação da recuperação de área degradada “Estação de tratamento de esgoto Tibiriçá, no município de Garça – SP”. Rev. Científica Elet. de Eng. Florestal. Ano V, n. 09, São Paulo, 2007.

QUEIROZ, Alvamar Costa. A Inserção da Dimensão Ambiental na Reorientação Curricular. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 1997.

TAVARES, S. R. D. L. Curso de recuperação de áreas degradadas: a visão da Ciência do Solo no contexto do diagnóstico, manejo, indicadores de monitoramento e estratégias de recuperação. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, p.228, 2008.

Downloads

Publicado

2012-12-31

Como Citar

SOUZA, T. J. .; AMORIM , M. C. C. de .; NETO, J. A. da S.; SANTOS, E. F. N. . Percepção dos frequentadores de Área de Preservação Permanente em Petrolina-PE quanto ao meio ambiente e a degradação ambiental. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 2, n. 3, p. 317–325, 2012. DOI: 10.31416/rsdv.v2i3.180. Disponível em: https://semiaridodevisu.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/180. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Multidisciplinar - Artigos